Home Novidades Notícias Corporativas Contratação de frete marítimo no agronegócio registra crescimento desde 2023

Contratação de frete marítimo no agronegócio registra crescimento desde 2023

As projeções são positivas já que segundo dados do Ministério da Agricultura e Pecuária afirma que a produção de grãos no Brasil deverá aumentar 24,1% nos próximos dez anos. A área de grãos deve expandir-se dos atuais 77,5 milhões de hectares (Conab – maio/2023) para 92,3 milhões de hectares em 2032/33. Os números são do estudo Projeções do Agronegócio, Brasil 2022/23 a 2032/33 , feito pela Secretaria de Política Agrícola, do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Desde de 2020 o Brasil tem direcionado ações para a expansão da malha marítima, como forma de aumentar a atuação dessa malha dentro do próprio Brasil e para exportação, como explica a matéria do Jornal da USP. Segundo dados da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), pela portal da Agência Gov, o segmento movimentou 290,1 milhões de toneladas, ligeira expansão de 1,6% em 2023, e apresentou crescimento de 11,44% agora em fevereiro, esse crescimento foi puxado principalmente por cargas conteinerizadas, com destaques também para os crescimentos de granéis sólidos e líquidos. A movimentação de contêineres atingiu 11,2 milhões de toneladas, um aumento de 29,19% em comparação com o mesmo período do ano passado, representando 1 milhão TEUs, com crescimento de 24,5% em fevereiro de 2024. Desse total, 7,7 milhões de toneladas foram movimentadas em longo curso e 3,4 milhões por cabotagem.

O Brasil é um país que possui cerca de 8 mil km de costa, nos últimos anos, a Cabotagem cresceu em um ritmo acelerado no Brasil. Segundo um estudo de 2018 do Instituto Ilos, para cada 1 contêiner atualmente na cabotagem, existem outros 4,8 que seriam captáveis pelo modal aquaviário no país. O Instituto afirma, ainda, que 21% das grandes indústrias brasileiras, aquelas que movimentam maior volume de cargas, têm a intenção de trocar de modal: sair do rodoviário e optar pela cabotagem nos próximos anos. Segundo dados do mesmo instituto, de 2022, o Brasil conta com 63% da produção sendo escoada pelas rodovias, 19% da produção passando pelas ferrovias nacionais, enquanto o transporte aquaviário movimenta apenas 13% das cargas. Em termos de comparação, na China, 44% da produção é escoada pelo modal aquaviário. Ou seja, existe muito espaço ainda a ser ocupado pela cabotagem, dados da Associação Brasileira de Armadores de Cabotagem.

Para Lucas Morgado, Diretor Executivo da C-Freight, como em qualquer setor enfrenta uma série de desafios que podem impactar significativamente suas operações. Para além das mudanças climáticas que afetam drasticamente as perspectivas de produção, o setor lida com temas que vão da compressão de margem devido à queda de valor das commodities no mercado até questões relacionadas à segurança jurídica. Mas para Lucas o cenário é de perspectivas positivas, “o Brasil é um país com grande capacidade produtiva no agronegócio e com as perspectivas de crescimento, com a expansão do modal de transporte marítimo, a intenção é alavancar cada vez mais o escoamento da produção Brasil a fora.”



Contratação de frete marítimo no agronegócio registra crescimento desde 2023



Previous articleIA e ML estão impactando a segurança cibernética financeira
Next articleGlobal X lança terceira edição do relatório anual de investimentos temáticos