Home Novidades Notícias Corporativas Eventos de pequeno a grande porte demandam estrutura médica

Eventos de pequeno a grande porte demandam estrutura médica

No saldo acumulado entre janeiro e outubro de 2023, o setor de eventos de cultura e entretenimento cresceu 46,6%, segundo dados do Radar Econômico, estudo realizado pela Abrape (Associação Brasileira dos Promotores de Eventos). O balanço foi desenvolvido pela entidade com base em informações do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e do Ministério do Trabalho e Previdência.

A Abrape destaca que o setor continua sendo o maior gerador de empregos no país. No mesmo período, os segmentos de agropecuária (-9,1%), serviços (-23,4%) e construção civil (-12,4%) apresentaram queda em relação aos dez primeiros meses de 2022. Segundo a análise, a média nacional, com todas as atividades econômicas, foi de declínio: -23,7%.

Elisangela Alves, diretora administrativa da Phoenix Saúde, chama a atenção para a importância de estruturas médicas, como ambulâncias e postos médicos, em eventos de pequeno a grande porte.

Recentemente, a turnê da cantora Taylor Swift no Brasil foi palco de diversos casos de pessoas que passaram mal e, até mesmo, uma vítima fatal. A sul-mato-grossense Ana Clara Benevides não resistiu a uma parada cardiorrespiratória durante um show da turnê “The Eras Tour”, da artista estadunidense, realizado no Estádio Olímpico Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ), no dia 17 de novembro de 2023.

Segundo estimativa do Corpo de Bombeiros, publicada pela CNN, mais de 1.000 desmaios foram registrados na mesma apresentação, que reuniu mais de 60 mil indivíduos. “Situações como esta deixam claro por que é tão importante que haja estrutura médica em eventos de pequeno ao grande porte”, diz Alves.



José Elias Vieira, diretor de mercado da Phoenix Saúde, destaca que a prioridade é sempre a vida: “Temos experiências de variados tipos de ocorrências em eventos, como uso excessivo de bebidas e quedas, entre outros casos. Em locais com grande aglomeração de pessoas, os riscos são muitos e o atendimento médico se faz necessário”. 

A exemplo disso, Elias conta que, para atender as normas exigidas pelo estatuto do torcedor, a empresa atuou em um jogo entre Flamengo e América, ocorrido no Estádio Municipal Parque do Sabiá em Uberlândia, onde estava à disposição do público: equipes e ambulâncias equipadas como UTIs móveis, além de posto médico.

De acordo com o profissional, em segundo plano para organização dos eventos, vem o respaldo jurídico do organizador, pois a contratação de cobertura médica resguarda o contratante de possíveis processos judiciais por alegação de falta de atendimento. “Há protocolos a serem seguidos de acordo com normas regionais ou federais”, ressalta.

Recentemente, a Câmara Municipal de Porto Alegre (RS) aprovou um projeto que prevê que todo evento com público estimado superior a 1.000 pessoas deverá contar com, ao menos, uma ambulância. Segundo o projeto, de autoria do vereador Cassiá Carpes (PP), cada posto de pronto atendimento em saúde deverá possuir, no mínimo, um médico e dois profissionais de enfermagem.

Para mais informações, basta acessar: https://www.phoenixsaude.com.br/

Eventos de pequeno a grande porte demandam estrutura médica



Previous articleRumo à eficiência: Brasil reformula o futuro dos data centers
Next articleRegião Sudeste concentra profissionais de cirurgia plástica