Home Novidades Notícias Corporativas Gravidez tardia vira preferência na região metropolitana

Gravidez tardia vira preferência na região metropolitana



Com o avanço dos estudos sobre a saúde da mulher e a constante busca por independência, algumas mudanças de comportamentos vêm sendo percebidas no que diz respeito à gravidez no Brasil nos últimos 20 anos.

Dados DATASUS E FIOCRUZ mostram que a maternidade em mulheres mais velhas tem aumentado: enquanto em 2000 o número de bebês nascidos de mulheres a partir dos 35 anos foi apenas de 9,1%, em 2020 o número de mulheres que engravidaram com 35 anos ou mais foi de 16,5%, do total de mães que tiveram filhos nesse ano.

A percepção é exatamente essa por profissionais que trabalham diretamente com fertilidade, demonstrando uma mudança de planejamento de vida. No Rio de Janeiro, a Dra. Cristiane Coelho, especialista em fertilidade, comenta sobre sua visão a respeito da gravidez tardia ter ganhado espaço em regiões metropolitanas, como Niterói e Rio de Janeiro, por exemplo. “Na sociedade atual, com foco na carreira e independência, recebo no consultório mulheres têm adiado a maternidade para gestações mais tardias, influenciadas pela pressão financeira e profissional das áreas urbanas e desafios na busca por parceiros compatíveis”, explica.



A médica ressalta, ainda, que muitas pacientes optam pelo congelamento de óvulos, por aumentar a possibilidade de terem uma gravidez no futuro. 

Ainda de acordo com os dados do DATASUS e da FIOCRUZ, no ano 2000 a fecundidade concentrava-se em mulheres mais jovens, entre 20 e 34 anos, que respondia por 67,4% da fecundidade total. Após 20 anos, a redução da gravidez em mulheres dessa faixa etária diminuiu para 57,8%, representando uma redução de quase 10%, o que confirma que a fecundidade no país está se tornando mais tardia.

Foi o que aconteceu com Fernanda Souza*, paciente da Dra. Cristiane, que congelou seus óvulos aos 30 anos e optou por utilizá-los aos 40 anos, quando já era diretora de marketing de uma grande empresa: “Eu e meu marido tínhamos o desejo de ter um filho, mas sabíamos que ainda não era a hora. Eu desejava crescer profissionalmente e queríamos ter nossa casa própria, então optamos pelo processo”, conta Fernanda, que deu a luz ao pequeno Matheus este ano.

*Nome fictício (a paciente não quis que seu nome fosse revelado).

Gravidez tardia vira preferência na região metropolitana



Previous articleHealthtech utiliza marketing digital para alcançar pacientes
Next articleBCG abre inscrições para processo seletivo do 2º semestre