Home Novidades Notícias Corporativas Lawtech brasileira integra ChatGPT ao sistema jurídico nacional

Lawtech brasileira integra ChatGPT ao sistema jurídico nacional

Alguns dias após o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso, solicitar às gigantes de tecnologia um pacote de soluções de Inteligência Artificial para o setor jurídico nacional, a legaltech brasileira Juristec+ lançou um software integrando a Inteligência Artificial Generativa (ChatGPT) a bases de dados estritamente jurídicos.

O Legal Metrics, software desenvolvido pela Juristec+, tem o objetivo de facilitar o acesso a informações legais. Em outubro, a secretária-geral adjunta das Nações Unidas, Amina J. Mohammed, afirmou que a digitalização pode promover o acesso à Justiça, ao criar processos mais otimizados.

“No caso do Brasil, a digitalização é ainda mais importante, por ser o país com o maior número de advogados, em termos proporcionais, e um dos maiores volumes de ações judiciais por habitante”, afirma Rui Caminha, vice-presidente de Negócios da Juristec+. Segundo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Brasil conta mais de 1,3 milhão de advogados – número equivalente ao dos Estados Unidos, porém naquele país a população é quase 50% maior que a brasileira. O sistema judiciário nacional conta com mais de 81 milhões de processos em tramitação, de acordo com o anuário Justiça em Números 2023 (página 92) – ou seja, aproximadamente, uma ação para cada habitante do país, considerando a população economicamente ativa.

Para dar conta dessa demanda, o Poder Judiciário brasileiro conta com uma estrutura de quase meio milhão de pessoas e uma despesa anual de R$ 116 bilhões (em 2022) – superior ao PIB de metade dos estados brasileiros. Cerca de 90% destes recursos correspondem à folha de pagamento de 18.117 magistrados, 272.600 servidores e 145.667 auxiliares, segundo o Anuário Justiça em Números (página. 40).

Apesar dessa superestrutura, a duração média de um processo no Brasil é superior a 4 anos, ainda conforme o CNJ. Além disso, o sistema jurídico brasileiro é pouco eficaz e acessível. De acordo com o estudo Doing Business report”, realizado pelo World Bank Group em 2020, o Brasil ocupa a 124ª posição entre 190 países avaliados pela favorabilidade do ambiente regulatório e jurídico para a abertura e condução de negócios.



Em outra pesquisa global, sobre a maturidade do “Estado de Direito”, realizada pelo World Justice Project (WJP) em 139 países, o Brasil ocupava a 77ª posição em 2021, com destaque negativo para a eficiência do Judiciário e para o tempo de duração dos processos. De acordo com o estudo, 39% dos entrevistados em 101 países relatam que seus problemas legais persistiram mesmo após a tomada de iniciativas em tentar resolvê-los.

Nesse contexto, a demanda do presidente do STF às Big Techs está alinhada a ações de outros países, como Alemanha, Japão e Reino Unido, que iniciaram programas para modernizar a Justiça por meio de sistemas tecnológicos mais avançados. “Com o lançamento de sua primeira IA Generativa interligada ao sistema jurídico, o Brasil também ingressa nesse caminho”, ressalta Patrick Shinzato, vice-presidente de Tecnologia da Juristec+.

Para Rui Caminha, que também é um dos fundadores da Juristec+, o lançamento em tempo recorde do Legal Metrics, poucos dias após a demanda do ministro Barroso, “só foi possível porque a empresa trabalha há 7 anos exclusivamente no desenvolvimento de tecnologias com o foco em estruturar e analisar dados jurídicos brasileiros”.

Os fundadores da Juristec+ são pesquisadores científicos especializados em tecnologia no ambiente jurídico (perfis abaixo) e estudaram os principais desafios dos brasileiros no acesso à Justiça, desde a identificação de que seus problemas têm uma solução legal até dificuldades financeiras para a resolução da questão.

Segundo a Juristec+, a partir da integração às bases de dados jurídicas, a IA Generativa pode:

  • Ser treinada para orientar cidadãos em casos de dúvidas sobre uma possível demanda judicial ou processos existentes;
  • Esclarecer como funciona o sistema judiciário, estimando a duração de um processo e até as chances de êxito com base nos históricos de julgamentos;
  • Auxiliar cidadãos com menos recursos para uma demanda judicial, reduzindo a desigualdade de acesso a melhores profissionais e informações;
  • Analisar processos, identificar padrões, inconsistências ou informações relevantes para os advogados, garantindo maior precisão e eficiência na tomada de decisões;
  • Analisar custos associados a cada tipo de processo, índices de ociosidade, frequência de determinadas teses jurídicas e tendências de litigiosidade para uma melhor gestão pelos tribunais;
  • Identificar temas de maior repercussão geral, monitorar a efetividade de súmulas e precedentes, bem como, avaliar a sobrecarga em certas jurisdições;
  • Entender padrões de recursos e movimentações que geram custos adicionais, contribuindo para o planejamento orçamentário das cortes, capacitação de magistrados e formulação de estratégias jurisdicionais mais eficazes.

Para ver o Chat GPT Jurídico em funcionamento, basta clicar aqui.

Sobre a Juristec+

A Juristec+ é uma legaltech brasileira dedicada à pesquisa e desenvolvimento de soluções tecnológicas no setor jurídico, especialmente no ramo de data analytics, business Intelligence, big data e IA Generativa. Seu propósito é facilitar o acesso a informações jurídicas e aumentar a eficiência das decisões através do poder dos dados. Os fundadores e executivos da startup são:

  • Rui Caminha Barbosa, diretor de Negócios, graduado em Direito pela USP e mestre em Sistemas da Informação pela FGV EAESP, com ênfase à pesquisa de modelos de IA e sistemas preditivos aplicados ao direito;
  • Vinícius de Castro Nunes de Siqueira, diretor de Produto, mestre e doutor em Ciências de Computação e matemática computacional pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo (ICMC-USP).
  • Patrick Shinzato, diretor de Tecnologia e Operações, pós-doutor em Ciência da Computação com ênfase em visão computacional para veículos autônomos e Inteligência Artificial pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo (ICMC-USP).

 

Mais informações: https://juristecplus.com/

Lawtech brasileira integra ChatGPT ao sistema jurídico nacional



Previous articleEscritora Vanessa Brunt será premiada em Boston, nos EUA
Next articleLifezone Metals anuncia atualização significativa dos recursos minerais para seu Projeto de Níquel de Kabanga na Tanzânia