Home Novidades Notícias Corporativas Publicidade indevida prejudica a reputação de influencers

Publicidade indevida prejudica a reputação de influencers

Através da internet, as plataformas de mídia social revolucionaram o conceito de fama, criando um universo onde pessoas comuns podem se tornar celebridades digitais rapidamente. Nesse cenário, o Brasil está entre os países que lideram esse segmento, sendo o 2º país com mais pessoas investindo na carreira de influencer, atrás apenas dos Estados Unidos (USA), de acordo com levantamento da Nielsen.

E, na esfera digital, o rápido crescimento financeiro sem uma estrutura empresarial, somada com a intensa exposição, aumentam os riscos de influenciadores se envolverem, inadvertidamente, em atividades que operam à margem da lei, promovendo esquemas fraudulentos, produtos não regulamentados ou serviços em desacordo com as regulamentações vigentes, expondo-se a consequências legais e provocando danos à sua reputação e influência nas redes sociais.

Com habilidades para criar conteúdo atraente, engajar seguidores, influenciar comportamentos e tendências de consumo, os influenciadores digitais tornaram-se ativos importantes para marcas e empresas, conseguindo contratos de publicidade milionários, capitalizando sobre sua popularidade e alcance nas redes sociais.

Contudo, essa rápida ascensão pode ocorrer sem a devida estrutura profissional para mitigar riscos legais e financeiros, essenciais em indústrias tradicionais. Certos tópicos da pauta, inclusive, estão na mira da Câmara dos Deputados nos moldes do Projeto de Lei n. 3.915/2023, já aprovado na Comissão de Comunicação, mas ainda pendente de votação.

O advogado criminalista Armando S. Mesquita Neto, sócio do escritório A. Mesquita Advogados, esclarece que enquanto não ocorrer a regulamentação do segmento, os influenciadores não devem deixar de assinar contratos de marketing digital, mas sim adotar procedimentos de Know Your Client (KYC) e Compliance direcionados ao universo deles.



“Especialmente para a promoção de publicidade digital em segmentos como sites de apostas on-line, negociações em criptomoedas e rifas digitais. Por ainda não possuírem correta legislação no país, as autoridades aumentam a fiscalização para evitar a lavagem de dinheiro, evasão de divisas e violações regulatórias. Isso coloca em xeque a responsabilidade e a segurança jurídica desses influencers no cenário digital”, pontua.

Mesquita explica ainda que na legislação brasileira, os riscos podem variar desde a promoção involuntária de práticas ilegais até a participação direta em crimes financeiros. Entre os principais crimes aos quais os influenciadores podem estar expostos, caso realizem promoção indevida de produtos e serviços ilegais no país, destacam-se:

  • Lavagem de dinheiro (Lei nº 9.613/1998): ao promover plataformas que podem ser usadas para ocultar a origem de fundos ilícitos;
  • Crimes Contra a Ordem Tributária (Lei nº 8.137/1990): a promoção de atividades econômicas não declaradas ou a evasão fiscal associada aos ganhos obtidos;
  • Associação Criminosa (Código Penal, art. 288): caso os influenciadores participem ativamente de esquemas organizados que visam promover atividades ilegais;
  • Crimes contra a Economia Popular (Lei nº 1.521/1951): a promoção de esquemas que configuram práticas econômicas consideradas abusivas, como a formação de pirâmides financeiras disfarçadas pode caracterizar crimes contra a economia popular;
  • Publicidade Enganosa (Código de Defesa do Consumidor, art. 37): ao promover produtos ou serviços financeiros sem a devida transparência ou ao omitir riscos associados, os influenciadores podem ser responsabilizados por publicidade enganosa;

O advogado alerta que a atuação dos influenciadores digitais requer uma cuidadosa avaliação das plataformas e dos produtos que promovem, bem como a transparência em relação aos potenciais riscos e benefícios.

Sobre Armando S. Mesquita Neto

É advogado Mestre em Direito Penal, Direitos Humanos e Segurança Pública pela Universidade de Salamanca-Espanha, Especialista em Direito Penal, Economia e Compliance pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra-Portugal e Pós-graduado em Direito Penal Econômico pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM) e Instituto de Direito Penal Econômico Europeu (IDPEE).

Para saber mais, basta acessar: 

https://www.instagram.com/amesquitaadvogados/

https://www.linkedin.com/in/armando-s-mesquita-neto-717576155/

Publicidade indevida prejudica a reputação de influencers



Previous articlePor influência de Cartola, rapper Sobrenome de Mello se lança no samba
Next articleEH Group obtém “aprovação em princípio” da DNV para seu sistema de célula de combustível marítimo de 250 kW