Home Novidades Notícias Corporativas Saúde bucal precisa de atenção no tratamento da hanseníase

Saúde bucal precisa de atenção no tratamento da hanseníase

O Janeiro Roxo marca a campanha anual de combate à hanseníase. A mobilização tem o objetivo de promover a conscientização sobre a doença. Segundo o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP), o atendimento odontológico direcionado ao paciente com hanseníase é fundamental, uma vez que a doença muitas vezes apresenta manifestações na região da boca e rosto de forma geral.      

A hanseníase é uma doença infecciosa crônica causada pela bactéria Mycobacterium Leprae e afeta principalmente a pele e os nervos periféricos, podendo variar desde uma infecção localizada até o comprometimento sistêmico. A forma de transmitir a doença ocorre quando uma pessoa com hanseníase, na forma infectante da doença, elimina o bacilo pelas vias aéreas superiores, seja por espirro, tosse ou fala, a partir de um contato próximo e prolongado. 

O cirurgião-dentista, especialista em Patologia Oral e Maxilofacial e mestre em Clínica Médica, Dr. Fabio Coracin, explica que a hanseníase tem grande relevância para a Odontologia por atingir a região da boca e da face com frequência. “Quando há a presença de manifestações orofaciais, podemos encontrar nódulos intraorais no palato, dorso da língua, lábios e faringe, e alterações esqueléticas que podem causar destruição do processo alveolar anterior, associada à perda ou mobilidade dos incisivos superiores”.

De acordo com o especialista, algumas manifestações orofaciais associadas à hanseníase podem incluir colapso do osso nasal, atrofia da espinha nasal, além de manchas na face.

As queixas orofaciais da hanseníase são comuns durante o curso da doença. Segundo o Dr. Fabio, por apresentar potencial de lesão de nervos periféricos, a doença pode provocar fraqueza muscular e deformidades. Por isso, é importante destacar que os impactos da hanseníase não são apenas físicos, mas também psicológicos. Isto se torna desafiador para os cirurgiões-dentistas, uma vez que os principais nervos afetados são o trigêmeo e o facial. “Esta alteração afeta a cavidade oral devido à parestesia no lado comprometido culminando com provável alteração na fala e na mastigação”.



Abordagem odontológica

Em relação ao papel do cirurgião-dentista frente a um indivíduo com hanseníase, Dr. Fabio informa que os profissionais devem sempre considerar um bom exame clínico. “O profissional deve ter em mente que, no exame físico intra-oral, poderá encontrar principalmente úlceras e feridas. Os sinais e sintomas da hanseníase na cavidade bucal são inespecíficos e, do ponto de vista odontológico, o manejo do indivíduo deve incluir a adaptação dos procedimentos de higiene oral de acordo com o nível de incapacidade do paciente decorrente do comprometimento dos nervos periféricos e, também, para o tratamento de lesões de tecidos moles”, explica o especialista.

 

Saúde bucal precisa de atenção no tratamento da hanseníase



Previous articlePrefeitura de São Bento apresenta programa “São Bento Nota 10”
Next articleConsumidores se preocupam com os ecossistemas de água doce saudável