Home Novidades Notícias Corporativas Aumenta preocupação com quadros graves de dengue no Brasil

Aumenta preocupação com quadros graves de dengue no Brasil

O recente ressurgimento dos sorotipos 3 e 4 do vírus da dengue no Brasil tem gerado crescente inquietação entre os especialistas, levantando a preocupação de uma possível epidemia da doença. O temor reside na possibilidade de um aumento significativo no número de infectados, especialmente devido à baixa imunidade da população. Além disso, existe o risco iminente de mais casos de dengue grave, que se manifesta com maior frequência em indivíduos que já foram infectados anteriormente por outro sorotipo.

O vírus da dengue é composto por quatro sorotipos: Den-1, Den-2, Den-3 e Den-4. De acordo com o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), a doença no Brasil segue ciclos endêmicos e epidêmicos, com epidemias explosivas ocorrendo a cada 4 ou 5 anos

Segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde, o Brasil registrou 1.079 óbitos relacionados à dengue em 2023, superando os números de 2022, considerado o ano mais letal da doença, com 1.053 registros.

O patologista Helio Magarinos Torres Filho, diretor do Richet Medicina & Diagnóstico/Rede D’Or, explica que ao contrair a doença, uma pessoa desenvolve imunidade para o sorotipo específico pelo qual foi infectada. “No entanto, cada pessoa pode ter dengue até quatro vezes, uma para cada tipo. O desafio está no aumento do risco de formas mais graves, como a dengue hemorrágica, a cada nova infecção”, alerta o médico.

Para diagnosticar a doença e identificar o sorotipo envolvido são necessários testes específicos. “O teste capaz de distinguir os sorotipos é a pesquisa de RNA para dengue por PCR, que deve ser realizado logo no início dos sintomas, de preferência até o sétimo dia”, destaca Helio Magarinos.



A Fiocruz relata que o sorotipo 3 (DEN-3) não causa epidemia no Brasil há 15 anos, enquanto o sorotipo 4 (DEN-4) foi reintroduzido em território nacional em 2010, após 28 anos sem detecção no país. Já os sorotipos 1 e 2 são os mais comuns no Brasil, sendo o DEN-1 o que mais afeta os brasileiros.

Hélio Magarinos destaca a necessidade de vigilância contínua e ações preventivas para mitigar o impacto da doença na sociedade. “É necessário que as autoridades de saúde e a população se unam para conter a propagação do vírus, através do controle dos focos do mosquito transmissor (Aedes aegypti), e da vacinação, que já está disponível no Brasil na rede privada”, destaca o patologista.

No final de 2023, o Ministério da Saúde anunciou a incorporação da vacina da dengue (Qdenga) ao Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, a cobertura inicial será limitada, com aproximadamente 3,1 milhões de pessoas podendo ser vacinadas.

Aumenta preocupação com quadros graves de dengue no Brasil



Previous articleInfrações multiplicadoras geram suspensão de CNH
Next articleMarketing digital: 94% das empresas usam para o crescimento